Universo
 Sistema Solar
 Ar
 Água
 Solo
 Ecologia
 Seres Vivos
 Reino dos Animais
 Reino das Plantas
 Corpo Humano
 Mais Conteúdos [+]

 Seres Vivos
 Os Vírus
 Reino Monera
 Reino Protista
 Reino Fungi
 Reino Plantae
 Genética
 Citologia
 Biotecnologia
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line

 Laifis de Biologia
 Área dos Professores
 Fórum de Discussão
 Glossário Biológico

 Jogos de Ciências
 Biokids
 Macetes

 Jornal Só Biologia
 Notícias
 Curiosidades
 Dicas de Etiqueta
 Grandes Cientistas
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

 

Sentido dos animais: 20 coisas que você não sabe

 

O Reino Animal é um campo cheio de mistérios. Estudos de várias espécies ainda buscam respostas que, em um futuro próximo, prometem nos surpreender – e muito. Por enquanto, nós podemos ficar de queixo bem caído com o que os cientistas já sabem, por exemplo…


Essas 20 coisas sobre o sentido dos animais:

 

1. Os jacarés são mais sensíveis do que você pensa

 


A pele dos jacarés é extremamente sensível a mudanças de vibrações, o que os ajuda localizar suas presas.

 


2. Os ornitorrincos são sensitivos


Enquanto os jacarés são sensíveis ao toque, os ornitorrincos são os únicos mamíferos com eletrorrecepção. Com sensores em seus bicos, eles conseguem detectar impulsos elétricos emitidos por suas presas para localizá-las em águas turvas.

 


3. As formigas vermelhas preveem terremotos


Os pesquisadores acreditam que o eletromagnetismo pode ajudar as formigas vermelhas a prever terremotos iminentes (aqueles que estão prestes a acontecer), a tempo suficiente de evacuarem seus montes. Assim, a expectativa é que, quem sabe um dia, essas criaturas possam fazer parte de um sistema de detecção de ameaças geológicas.

 


4. Elefantes também são conscientes das vibrações do solo

 

E também usam essa sensibilidade para preservarem sua espécie. Funciona assim: eles usam a atividade sísmica gerada por seus pés para se comunicarem uns com os outros a respeito de predadores, demarcação de território e preferências de acasalamento.

 


5. As Toupeiras-nariz-estrela têm o nariz mais sensível do mundo

 


O nariz dessa espécie de toupeira tem 22 pequenos troncos que contém um total de 100 mil fibras nervosas. Para você ter uma ideia, isso corresponde a seis vezes mais receptores que a mão humana. Conforme as toupeiras cavam suas tocas, esses tentáculos varrem o território em alta velocidade, de forma mais rápida do que o olho pode detectar.

 


6. Os lobos têm ouvido musical


Para não perderem a voz com uivos em coro, eles escolhem uma nota específica para se comunicarem uns com os outros.

 


7. Focas têm sensores hidrodinâmicos

 


Você já deve ter reparado que as focas têm grandes e longos bigodes, que são sua marca registrada. Eles têm uma função que vai muito além da estética. Através de seus bigodes, as focas conseguem detectar o rastro hidrodinâmico de peixes que estão nadando a até 600 metros de distância.

 


8. Passarinhos sabem quando precisam de algum nutriente

 


Sentir fome é uma coisa. Mas saber exatamente que tipo de nutriente está faltando no seu organismo é outra completamente diferente e, devemos concordar, impressionante. Os passarinhos de coroa branca conseguem fazer isso. Eles percebem a necessidade de buscar alimentos ricos em aminoácidos que não podem produzir ou armazenar em seus organismos.

 


9. Peixes-gato têm papilas gustativas

 


A língua dessa espécie de peixe os ajuda a detectar as presas pelo sabor, em qualquer direção.

 


10. Minhocas sentem mudanças no solo


Os corpos das minhocas são cobertos por quimiorreceptores que detectam mudanças químicas e fazem esses animais sentirem gostos.

 

 

11. A língua das cobras as ajuda a localizar presas

 


A língua das cobras faz muito mais que apenas sentir o sabor dos alimentos. Com sua anatomia bifurcada, elas pegam moléculas odoríferas dos outros animais por meio de dutos especializados e enviam ao órgão de Jacobson, que pode detectar onde a fonte do cheiro está localizada.

 

 

12. Ratos e minhocas comuns podem sentir cheiros diferentes em cada narina


Sim, suas narinas atuam de forma independente. Inclusive, os pesquisadores estão colocando seus talentos para trabalhar a favor da detecção de minas terrestres e outros explosivos na África.

 

 

13. Tubarões têm um olfato apurado

 


Até 40% do cérebro dos tubarões é dedicado ao olfato. Não é de se admirar que alguns especialistas acreditam que eles podem farejar uma presa a até 500 metros de distância em mar aberto.

 

 

14. Vermes parasitas também usam o olfato para encontrar hospedeiros

 


Essa capacidade de identificar odores atraentes faz os pesquisadores imaginarem que um dia serão capazes de desenvolver esse vermes para tratar doenças. Como isso vai acontecer, é uma resposta que só o futuro sabe.

 

 

15. A visão é um sentido essencial para uma ave de rapina

 


Mais que o cheiro. Mesmo durante o mergulho a uma velocidade de 160 km/h ou mais, os falcões conseguem detectar suas presas em parte graças a uma diminuição do número de vasos sanguíneos na sua retina. Uma vez que os vasos dispersam a luz, ter menos deles cria imagens extremamente nítidas, tornando o bote muito mais preciso.

 

 

16. Vieiras são capazes de distinguir claro e escuroo

 


Esses moluscos não são falcões, mas alguns cientistas acreditam que são capazes de distinguir entre claro e escuro, por terem mais de 100 olhos na borda de seu manto. Uma superfície refletora na parte de trás de cada olho foca a luz na retina para formar imagens bastante nítidas.

 

 

17. O peixe quatro-olhos enxerga em dobro

 


O peixe da espécie Anableps anableps, conhecido como quatro-olhos, tem na verdade apenas dois olhos, mas consegue enxergar em dobro, pois cada um é dividido: a parte superior fica de vigia para predadores acima da superfície, enquanto a parte de baixo fica de olho em ameaças subaquáticas.

 

 

18. Algumas espécies de aranha conseguem detectar radiação ultravioleta

 


Além das aranhas saltadoras terem nada menos que oito olhos posicionados para criar uma visão de quase 360 ​​graus, algumas outras espécies podem detectar a radiação ultravioleta, o que facilita o acasalamento.

 

 

19. Abelhas operárias são sensíveis às mudanças no campo magnético da Terra

 


Abelhas operárias navegam usando anéis de óxido de ferro paramagnético que existem em seus abdomens e que podem inchar ou encolher, dependendo das mudanças magnéticas que sentem. Isso acaba permitindo que os insetos encontrem o caminho de casa, seguindo mudanças no campo magnético da Terra.

 

 

20. Espécie de besouro consegue detectar radiação infravermelha

 


Os besouros da família Buprestidae têm sensores que detectam a radiação infravermelha emitida por incêndios florestais que estejam acontecendo a até aproximadamente 80 quilômetros de distância. E aí a gente se pergunta: qual a necessidade disso? A resposta é simples: os besouros usam áreas recentemente queimadas para fazer acasalamento. Ou seja, é um recurso para a sobrevivência da espécie.

 

 

 

 

 

 

Fonte: hypescience.com

 

 

 

Curta nossa página nas redes sociais!

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Biologia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.