Universo
 Sistema Solar
 Ar
 Água
 Solo
 Ecologia
 Seres Vivos
 Reino dos Animais
 Reino das Plantas
 Corpo Humano
 Mais Conteúdos [+]

 Seres Vivos
 Os Vírus
 Reino Monera
 Reino Protista
 Reino Fungi
 Reino Plantae
 Genética
 Citologia
 Biotecnologia
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line

 Laifis de Biologia
 Área dos Professores
 Fórum de Discussão
 Glossário Biológico

 Jogos de Ciências
 Biokids
 Macetes

 Jornal Só Biologia
 Notícias
 Curiosidades
 Dicas de Etiqueta
 Grandes Cientistas
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

 

Bactérias se comunicam do mesmo jeito que os nossos neurônios

 

A descoberta não altera apenas o modo como cientistas enxergam as bactérias; altera também o modo como veem o nosso cérebro.

 

Um novo estudo aponta que bactérias têm um sistema de comunicação muito mais sofisticado do que o esperado. A pesquisa foi realizada em biofilmes ou "placas" bacterianas que formam o tártaro - sim, aquele que se aloja nos dentes. Esses aglomerados são extremamente resistentes a antibióticos e a outros químicos, o que os coloca no topo da lista de grandes preocupações médicas. A comunicação entre as bactérias é feita por meio de canais iônicos, as mesmas estruturas envolvidas na comunicação entre neurônios.

No biofilme, as bactérias são capazes de resolver conflitos dentro da comunidade assim como as sociedades humanas. Foi descoberto que quando as placas crescem até um certo tamanho, as células de fora, que têm acesso irrestrito aos nutrientes do ambiente externo, param de crescer para permitir que o "alimento" seja enviado também para as bactérias mais ao centro da colônia. Assim, a estrutura se mantém viva e resiste aos antibióticos. Essas oscilações no tamanho do biofilme requerem grande coordenação entre as bactérias periféricas e as centrais, o que levou os pesquisadores a imaginar que essa comunicação era feita de forma eletroquímica.

Os experimentos revelaram que as oscilações no tamanho da membrana conduziam sinais elétricos de longo alcance dentro do biofilme. Conforme a energia se propagava, a atividade metabólica das bactérias era coordenada. Quando os canais iônicos eram deletados das bactérias, a placa não era capaz de conduzir os sinais elétricos e se desordenava.

Gürol Süel, líder do projeto, declarou que "assim como os neurônios do nosso cérebro, descobrimos que as bactérias usam canais iônicos para comunicação entre si, por meio de sinais elétricos. Desse jeito, a comunidade bacteriana dentro dos biofilmes parece funcionar como um 'cérebro microbiano'".

 

 

Fonte: super.abril.com.br

 

 

 

Curta nossa página nas redes sociais!

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Biologia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.