Universo
 Sistema Solar
 Ar
 Água
 Solo
 Ecologia
 Seres Vivos
 Reino dos Animais
 Reino das Plantas
 Corpo Humano
 Mais Conteúdos [+]

 Seres Vivos
 Os Vírus
 Reino Monera
 Reino Protista
 Reino Fungi
 Reino Plantae
 Genética
 Citologia
 Biotecnologia
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line

 Laifis de Biologia
 Área dos Professores
 Fórum de Discussão
 Glossário Biológico

 Jogos de Ciências
 Biokids
 Macetes

 Jornal Só Biologia
 Notícias
 Curiosidades
 Dicas de Etiqueta
 Grandes Cientistas
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

 

5 mecanismos de defesa engenhosos que existem na natureza

 

Existem muitas criaturas na natureza que desenvolveram mecanismos de defesa engenhosos. Veja:

1 – O lagarto que expele sangue pelos olhos

O lagartinho da imagem — da espécie Phrynosoma cornutum —, além de contar com chifres, desenvolveu um mecanismo de defesa pra lá de inusitado. Esse réptil, que não ultrapassa os 60 centímetros de comprimento, é capaz de lançar jatos de sangue pelos olhos para afugentar seus predadores.

O P. cornutum conta com dois músculos que protegem os principais vasos sanguíneos que alimentam seus olhos. Quando mecanismo de defesa é “acionado”, esses músculos se contraem rompendo os vasos e espirrando o sangue contra o predador. Além de esse inesperado jato assustar o animal, o sangue contém substâncias que ajudam a repelir os atacantes.

 

2 – A salamandra “Wolverine”

As salamandras não são animais particularmente assustadores — dê uma olhada na imagem acima e nos diga se esses bichinhos dão medo? No entanto, as da espécie Pleurodeles waltl (as mesmas da foto) contam com um mecanismo de defesa bem agressivo: quando se sentem ameaçadas, elas viram o Wolverine! Bem, mais ou menos...

Esses anfíbios são capazes de projetar suas costelas pontiagudas para fora do corpo, e o pior é que eles ainda produzem uma substância venenosa que é liberada pela pele. E isso, em combinação com os “espinhos”, forma uma eficiente arma que, além de dolorosa, pode inclusive ser mortal para alguns predadores.

 

3 – A formiga-bomba

Assim como acontece com as abelhas, as formigas também desempenham diferentes papéis em suas colônias, e, quando a segurança do grupo é ameaçada, as bichinhas se unem para atacar os invasores. No entanto, as formigas da espécie Camponotus saundersi vão mais longe do que apenas utilizar suas mandíbulas para afugentar possíveis predadores. Elas se transformam em guerreiras suicidas e explodem.

As operárias dessa espécie de formiga contam com glândulas que se estendem pela longitude de seus corpos e que ficam repletas de uma substância pegajosa que, além de ser tóxica, tem propriedades corrosivas. Quando as C. saundersi se sentem ameaçadas, elas contraem seus músculos abdominais para, basicamente, explodir seus corpos e cobrir os predadores com seu veneno, protegendo, assim, a colônia. Mecanismo de defesa heroico, você não acha?

 

4 – O milípede que brilha no escuro

Alguns animais, como você sabe, tiram proveito de sua coloração exuberante e desenhos chamativos para espantar os predadores. No entanto, esse truque não é lá muito útil para criaturas de hábitos exclusivamente noturnos, como é o caso dos milípedes do gênero Motyxia. E é por isso que eles usam a bioluminescência como mecanismo de defesa — e uma pitadinha de cianeto, para garantir.

Como esses artrópodes só saem à noite, quando algum predador se aproxima, eles começam a brilhar e a expelir cianeto — e outras substâncias tóxicas que os tornam bem pouco apetitosos — por poros que ficam espalhados ao longo das laterais de seus corpos.

 

5 – O pepino-do-mar que... Evacua suas vísceras?

Todo mundo tem a sua estratégia para afugentar predadores, não é mesmo? Assim, enquanto alguns choram lágrimas de sangue, se transformam em criaturas espinhosas, cometem suicídio ou dão um show no escuro, tem os que expulsam seus órgãos internos para atemorizar — ou pasmar! — os inimigos, como é o caso dos pepinos-do-mar.

Apesar de parecer que o pepino-do-mar do vídeo acima está “defecando” as tripas, na verdade, ele está empregando um mecanismo chamado evisceração no qual ele expele seus órgãos internos pelo ânus para se defender. Acontece que suas vísceras são tóxicas e — mais do que apropriadamente — têm formato filamentoso, portanto, seus predadores podem morrer se ficarem presos nesse emaranhado. Engenhoso, você não acha?

 

 

Fonte: megacurioso.com.br

 

 

 

Curta nossa página nas redes sociais!

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Biologia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.