Universo
 Sistema Solar
 Ar
 Água
 Solo
 Ecologia
 Seres Vivos
 Reino dos Animais
 Reino das Plantas
 Corpo Humano
 Mais Conteúdos [+]

 Seres Vivos
 Os Vírus
 Reino Monera
 Reino Protista
 Reino Fungi
 Reino Plantae
 Genética
 Citologia
 Biotecnologia
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line

 Laifis de Biologia
 Área dos Professores
 Fórum de Discussão
 Glossário Biológico

 Jogos de Ciências
 Biokids
 Macetes

 Jornal Só Biologia
 Notícias
 Curiosidades
 Dicas de Etiqueta
 Grandes Cientistas
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

 

Alfred Lothar Wegener (1880 – 1930)

 

Foi um meteorologista alemão proponente da teoria das placas tectônicas e deriva continental.

 

No Outono de 1911 em Marburg, Wegener pesquisava na biblioteca da universidade quando se deparou com um artigo científico que registrava fósseis de animais e plantas idênticos encontrados em lados opostos do Atlântico. Intrigado com este fato, Wegener iniciou uma pesquisa, com sucesso, de outros casos de organismos semelhantes separados por oceanos. A comunidade científica ortodoxa da época tentou explicar esses casos afirmando que pontes terrestres, hoje submersas, em tempos ligaram os continentes. Wegener notou também que as costas de África e da América do Sul encaixavam. Poderiam então as semelhanças entre organismos dever-se não à existência de pontes terrestres, mas ao fato de os continentes em tempos terem estado ligados?

Uma teoria destas, para ser aceita, necessitaria de uma grande quantidade de provas que a suportassem. Wegener descobriu então que grandes estruturas geológicas em diferentes continentes pareciam ter ligação. Por exemplo, os Apalaches na América do Norte ligavam-se à terras altas Escocesas e os estratos rochosos existentes na África do Sul eram idênticos àqueles encontrados em Santa Catarina no Brasil.

O meteorologista constatou também que fósseis muitas vezes encontrados em certos locais indicavam um clima muito diferente do clima dos dias de hoje. Por exemplo, fósseis de plantas tropicais encontravam-se na ilha de Spitsbergen no Ártico.

Todos estes fatos suportavam a teoria de Alfred Wegener da deriva continental Em 1915 a primeira edição de A Origem dos Continentes e Oceanos , onde Wegener explicava a sua teoria, foi publicada, sendo procedida de outras edições em 1920, 1922 e 1929. Wegener afirmava que há cerca de 300 milhões de anos os continentes formavam uma única massa, Pangéia (do grego "toda a Terra"). A Pangéia fragmentou-se e os seus fragmentos andaram "à deriva" desde então. Wegener não foi o primeiro a sugerir que os continentes estiveram em tempos ligados, mas foi o primeiro a apresentar provas extensas de vários campos de estudo.

As reações à teoria de Wegener foram quase sempre hostis e muitas vezes duras. Parte do problema era que Wegener não possuía qualquer teoria convincente que explicasse o mecanismo que fazia os continentes moverem-se. Ele pensava que os continentes moviam-se na crosta terrestre como os icebergues se movem pelas camadas de gelo e que a força centrífuga e tidal eram responsáveis pelo movimento dos continentes. Outro problema eram as falhas nos dados de Wegener que o levaram a efetuar previsões erradas. Ele sugeria que a América do Norte e a Europa afastavam-se a um velocidade de 250 cm por ano (cerca de cem vezes mais rápido do que na realidade). No entanto havia cientistas que apoiavam Wegener, tal como o geólogo sul-africano Alexander Du Toit. Após a sua morte as suas teorias tiveram alguns apoiantes mas a maioria dos geólogos continuou a defender a teoria dos continentes estáticos e das pontes terrestres.

 

 

 

Curta nossa página nas redes sociais!

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Biologia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.