Universo
 Sistema Solar
 Ar
 Água
 Solo
 Ecologia
 Seres Vivos
 Reino dos Animais
 Reino das Plantas
 Corpo Humano
 Mais Conteúdos [+]

 Seres Vivos
 Os Vírus
 Reino Monera
 Reino Protista
 Reino Fungi
 Reino Plantae
 Genética
 Citologia
 Biotecnologia
 Mais Conteúdos [+]

 Exercícios Resolvidos
 Provas de Vestibular
 Simulados On-line

 Laifis de Biologia
 Área dos Professores
 Fórum de Discussão
 Glossário Biológico

 Jogos de Ciências
 Biokids
 Macetes

 Jornal Só Biologia
 Notícias
 Curiosidades
 Dicas de Etiqueta
 Grandes Cientistas
 Indicação de Livros
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

 

Caminhar na natureza faz bem para o cérebro, mostra pesquisa

 


A vida nas cidades grandes deixa as pessoas com maior propensão a doenças mentais e ansiedade.

O grupo que passeou no parque se mostrou muito mais tranquilo e com menor atividade no córtex pré-frontal.


Vários estudos apontam que pessoas que moram nos centros de grandes cidades possuem maior tendência a ansiedade e doenças mentais do que quem mora mais perto da natureza.

Gregory Bratman, aluno de graduação da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, decidiu realizar um experimento mais profundo sobre o assunto.

O estudante e sua equipe selecionaram 38 pessoas que moram em cidades movimentadas para o projeto. Em um primeiro momento, eles verificaram o fluxo do sangue no córtex pré-frontal do cérebro dos participantes utilizando tomografia. Eles consideram que quanto mais sangue, mais atividades o cérebro realiza. Além disso, os voluntários também responderam um questionário para avaliar seu nível de contentamento.

Os participantes foram divididos em dois grupos. O primeiro foi instruído a andar em uma parte silenciosa e arborizada do campus de Stanford, enquanto o segundo teve que andar na parte mais agitada do centro da cidade de Palo Alto, na Califórnia. Eles não podiam levar companhia ou ouvir música durante essas caminhadas.

Após uma hora e meia de caminhada, os voluntários mais uma vez passaram pela tomografia e responderam os questionários. De acordo com os resultados, aqueles que andaram no centro ficaram mais agitados, com bastante fluxo de sangue no cortex pré-frontal.

Já os participantes que passearam pelo caminho arborizado mostraram mais positividade em seus questionários e tinham menos sangue circulando no cortex pré-frontal.

De acordo com Bratman, diversos aspectos da pesquisa ainda precisam ser aprimorados, mas que, por enquanto, “uma caminhada até o parque mais próximo pode te ajudar a espairecer”.

 

 

 


 

 

 

(http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2015/07/caminhar-na-natureza-faz-bem-para-o-cerebro-mostra-pesquisa.html)

 

 

 

Curta nossa página nas redes sociais!

Mais produtos

 

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Biologia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.